sexta-feira, 24 de outubro de 2008

lar da literapura

busca palavras

fecunda lavradura
fuçando o chão do real

acha palavras

intensa lavratura
trocando sinal por sinal

retorna sempre afinal ao
lar da literapura

9 comentários:

sandra camurça disse...

Totex, lar da poesiapurada ;-)
beijos

orlando pinhº d-silva disse...

ah ah ah ah
sandrix!..
bjs bjs

Fabrício Brandão disse...

... e o que está no final é talvez o humano em seu estado bruto, meu caro!

Abraços poéticos!

orlando pinhº d-silva disse...

ponto.

poéticos abraços,
fabrício.

sandra camurça disse...

que comentário-poema mais lindo foi aquele que você deixou lá no refúgio, menino?
Beijos

Tom disse...

Pura que lí
só mainha sim!
Inteira entregue.

Ainda assim
me exigia o boletim...

oscar kellner netto disse...

caro orlando:
gostei do blog. vamos nessa constante luta contra o aniquilamento.
abraços

Moacy Cirne disse...

[a poesia é pura?
a poesia é para

de barriga vazia]

As palavras de Haroldo de Campos ainda ecoam dentro de nós, não?

Um abraço.

orlando pinhº d-silva disse...

sim moacy,
as palavras do haroldo,
ecoam muito sim.
sempre volto a ele.